Narrativas audiovisuais em displays digitais

Ementa:

 Alteração do sistema analógico para digital da televisão. Alteração no modelo tradicional nos processos de construção da narrativa televisiva. Interatividade, multiprogramação, mobilidade e alta definição. Evolução do mercado de radiodifusão, suas tendências e perspectivas. Os displays digitais como nova mídia. A articulação e estratégia das redes sociais em consonância com a produção audiovisual televisiva. Conteúdos produzidos para TV e celular. Novos produtos, novas narrativas e processos comunicacionais.

 BIBLIOGRAFIA:

AFFINI, Letícia, USHINOHAMA, Tatiana. Interação via segunda tela: o caso Hannibal. Intercom , XXXVI Congresso brasileiro de ciências da comunicação, Manaus, AM, 4 a 7 set. 2013.

ALZAMORA, Lorena, TÁRCIA, Lorena. Convergência e transmídia: galáxias semânticas e narrativas emergentes em jornalismo. In: Revista Brazilian Journalism Research. V. 8, n. 1, 2012.

FERREIRA, Mayra. Em busca da interação pela TV: uma proposta participativa com base no método Mário Kaplún. Intercom , XXXVI Congresso brasileiro de ciências da comunicação, Manaus, AM, 4 a 7 set. 2013.

FILHO, Francisco Machado. Segunda tela: tendências, oportunidades e modelo de negócio concomitante à TV digital aberta no Brasil. Intercom , XXXVI Congresso brasileiro de ciências da comunicação, Manaus, AM, 4 a 7 set. 2013.

JAFFE, J. O declínio da mídia de massa: por que os comerciais de TV de 30 segundos estão com os dias contados. São Paulo: M. Books do Brasil, 2008. 262 p.

JAMBEIRO, Othon. A regulação da TV no Brasil: 75 anos depois, o que temos? In: Estudos de sociologia, Araraquara, v.13, n. 24, p. 85-104, 2008.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2008. 362 p.

JOHNSON, Steven. Cultura da Interface: como o computador transforma nossa maneira de criar e comunicar. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

JUNIOR, Carlos Pernisa. Jornalismo transmidiático ou multimídia? In: Revista Interin. Curitiba, v.10, n. 2, jul./dez. 2010.

KAHNEY, Leander. A cabeça de Steve Jobs: as lições do líder da empresa mais revolucionária do mundo. Rio de Janeiro: Agir, 2009.

KERCKOVE, Derrick. A pele da cultura. Lisboa: Relógio D’Água Editores, 1995.

MAGALHÃES, Cláudio. Não há segunda tela sem a primeira: 7 razões porque a TV não vai desaparecer. Intercom , XXXVI Congresso brasileiro de ciências da comunicação, Manaus, AM, 4 a 7 set. 2013.

MANOVICH, Lev. The language of New Media. London: MIT Press Cambridge, 2000.

MARTINS, Elaide. Telejornalismo na era digital: aspectos da narrativa transmídia na televisão de papel . Revista Brazilian Journalism Research. V. 8, n. 2, 2012.

MARQUIONI, Carlos Eduardo. Convites à interatividade em programas jornalísticos: notas iniciais de pesquisa. Intercom , XXXVI Congresso brasileiro de ciências da comunicação, Manaus, AM, 4 a 7 set. 2013.

MONTEZ, Carlos e BECKER, Waldecir. TV digital interativa: conceitos, desafios e perspectivas para o Brasil. 2.ed. ver. e ampl. – Florianópolis: Ed. UFSC,2005.

MURRAY, Janet H. Hamlet no Holodeck: o futuro da narrativa no ciberespaçoSão Paulo: Itaú Cultural: Unesp, 2003.

NEGROPONTE, Nicholas. A vida digital. Rio de Janeiro, companhias das letras, 1995

PARENTE, André (org). Imagem Máquina – a era das tecnologias do virtual. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1993.

TAVARES, Olga, MASCARENHAS, Alan. Jornalismo e convergência: possibilidades transmidiáticas no jornalismo pós-massivo. In: Revista Famecos, mídia, cultura e tecnologia. Porto Alegre, v. 20, n.1, p. 193-210, jan./abr. 2013.

TELLAROLI, Taís, SQUIRRA, Sebastião. Os displays digitais como ferramenta comunicacional supramidiática. In: Revista ANIMUS. v. 11, n. 22, 2012.

VILCHES, Lorenzo. A migração digital. São Paulo: Edições Loyola, 2003.

WOLTON, Dominique. Elogio do grande público. São Paulo: Ática, 2006.

___________. Internet, e depois? Uma teoria crítica das novas mídias. Porto Alegre: Sulina, 2003.